Alerj

Policial civil denunciado por fraude, lavagem de dinheiro e agiotagem é preso

Por Anderson Coutinho em 06/06/2022 às 09:00:28

Fabrini Costa Alves ainda é suspeito de fraudar sua graduação em medicina. Ao longo de dez anos bens e carros de luxo incompatíveis com os ganhos de policial civil. Denunciado pelos crimes de lavagem de dinheiro, agiotagem e fraude à licitação, foi preso na manhã desta segunda-feira (6), o policial civil Fabrini Costa Alves, durante uma operação do Grupo de Atuação Especializada no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do RJ.

De acordo com a denúncia, dissimulou a utilização de bens e valores provenientes das infrações penais, adquiriu, recebeu, negociou e transferiu a propriedade de bens em Bom Jesus do Itabapoana, no Noroeste Fluminense.

O policial também teria uma graduação em medicina fraudulenta pela Universidade de Nova Iguaçu (Unig). Os promotores descobriram uma incompatibilidade geográfica e temporal, já que para o curso de medicina, que é em tempo integral, é incompatível com a atividade policial.

No período do curso, em 2016, quando ele teria iniciado a faculdade em Itaperuna, no Noroeste Fluminense, o policial esteve lotado em Bom Jesus do Itabapoana (Noroeste Fluminense), Campos dos Goytacazes e Italva (Norte Fluminense).

Durante as investigações, os promotores revelaram que Fabrini era sócio de inúmeras empresas, possuía veículos luxuosos e residia em uma casa de alto padrão localizada no Centro de Bom Jesus do Itabapoana.

Segundo os promotores, ele esquematizou uma série de fraudes ao longo de dez anos. Todas com a intenção de aumentar seu patrimônio, que é incompatível com seus ganhos como policial.

Fabrini ainda manipulou parentes e pessoas próximas e se valeu de negociatas escusas. A maioria das empresas do policial civil e de seus parentes era considerada de fachada.

Além da prisão do policial, a operação cumpre mandados de busca e apreensão em 11 endereços ligados a Fabrini.

Fonte: G1

Comunicar erro
Anuncie aqui